8 de junho de 2015

[Resenha] Mares de Sangue

Título: Mares de Sangue (Nobres Vigaristas #2)
Autor: Scott Lynch
Ano de publicação: 2014
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 512
Sinopse: Após uma batalha brutal no submundo do crime, o golpista Locke Lamora e seu fiel companheiro, Jean Tannen, fogem de sua cidade natal e desembarcam na exótica Tal Verrar para se recuperar das perdas e feridas. Porém, mesmo no extremo ocidental da civilização, não conseguem descansar por muito tempo e logo estão de volta ao que fazem de melhor: roubar dos ricos e embolsar o dinheiro.
Desta vez, eles têm como alvo o maior dos prêmios, a Agulha do Pecado, a mais exclusiva casa de jogos do mundo, onde a regra de ouro é punir com a morte qualquer um que tente trapacear. É o tipo de desafio a que Locke não consegue resistir... só que o crime perfeito terá que esperar.Antigos rivais dos Nobres Vigaristas revelam o plano a Stragos, o ambicioso líder militar verrari, que resolve manipulá-los em favor de seus próprios interesses. Em pouco tempo, a dupla se vê envolvida com o mundo da pirataria, um trabalho inusitado para ladrões que mal sabem diferenciar a proa da popa de um navio.Em Mares de sangue, Locke e Jean terão que se mostrar malabaristas de mentiras, enganando todos ao seu redor sem a mínima falha, para que consigam sair vivos. Mas até mesmo isso pode não ser o bastante...


Mares de Sangue se inicia com um prólogo que atiça a curiosidade do leitor, para então dar início à história no primeiro capítulo, em que vemos Locke e Jean aplicando mais um de seus golpes geniais na Agulha do Pecado, a casa de jogos mais famosa de Tal Verrar. Esses acontecimentos se dão dois anos após o grande desastre do livro anterior, que os levou a fugir de Camorr. Por meio de interlúdios, o autor nos mostra como os dois chegaram a Tal Verrar e começaram a se preparar para o golpe que exigiu muito tempo e dedicação.

Porém, logo os problemas começam a surgir para os Nobres Vigaristas. Stragos, uma figura importante em Tal Verrar, fica sabendo que os dois estão na cidade, apesar de seus disfarces, e os coage a trabalhar em seu favor. Assim, os Nobres Vigaristas vão para o mar. E para que sua missão de provocar piratas para Stragos dê certo, precisam se passar por piratas, apesar de seus conhecimentos sobre navios serem praticamente inexistentes.

Assim, temos Locke e Jean muitas vezes lutando contra mais de um inimigo, em um ambiente em que não estão totalmente confortáveis, e a isso se seguem diversas reviravoltas, com a situação ficando mais difícil a cada momento e exigindo o máximo das habilidades de Locke e Jean. E essa é uma das melhores partes do livro: o autor não tem medo de colocar seus personagens em condições aparentemente irremediáveis, para que depois eles mesmos tenham de sair da enrascada usando aquilo que possuem.

Sabe de uma coisa? Eu apostaria que, contando as pessoas que estão nos seguindo e as que estão nos caçando, nós viramos o principal meio de emprego desta cidade. Toda a economia de Tal Verrar está baseada agora em foder com a gente. (p. 187)

As únicas ligações desse livro com o anterior são os Magos-Servidores, que fazem uma breve mais muito marcante aparição, e os Nobres Vigaristas, mas ainda assim recomendo que seja feita a leitura de As Mentiras de Locke Lamora antes desse volume, pois diversos detalhes sobre o mundo em que a história se passa e sobre os próprios personagens são introduzidos no primeiro volume, apesar de as tramas serem independentes.

A narrativa é excelente, colocando tensão, ação, mistério e — é claro — humor nas doses certas, tornando muito difícil a tarefa de largar o livro. O único ponto negativo da narrativa são as descrições de ambientes. Não tinha reparado muito nisso em As Mentiras de Locke Lamora, mas nesse livro as descrições são feitas sob o ponto de vista do narrador e não dos personagens, o que em alguns momentos quebrou um pouco a imersão.

- Maldição! Deixem-nos sair. Vocês já provaram seu argumento!
- Que argumento seria esse? - perguntou Jean, rouco.
- Não sei. - Locke tossiu. - Não importa. O que quer que seja, eles provaram, não acha? (p. 83)

O livro também ganha muitos pontos no quesito personagens. Locke e Jean são excelentes personagens, com personalidades muito interessantes e bem elaboradas. Além disso, sua amizade foi muito bem explorada, especialmente pelo fato de agora eles serem os dois únicos Nobres Vigaristas. Além dos dois, outros personagens muito interessantes se envolvem na trama, como Requin e Selendri, donos da Agulha do Pecado, Zamira Drakasha, capitã do Orquídea Negra, e, é claro, Stragos. Ainda que não sejam o foco da história, foram bem construídos e não tem como deixar de gostar (ou de desgostar) de todos eles.

Como Locke e Jean viajam pelo mar, mais do mundo onde vivem é apresentado, embora o autor mantenha mistério em torno de alguns elementos, como os ancestres e seu vidrantigo. Apesar disso, os cenários que nos são apresentados são muito peculiares, e esses mistérios só os tornam ainda mais interessantes, além de emprestar verossimilhança à história, afinal não é possível saber tudo sobre o mundo.

A revisão traz um pequeno deslize. Não sei se o erro ocorreu também no original, mas há no livro um trecho onde Jean aplica um "telefone", o que ficou um pouco fora de contexto, já que não há nada no livro que indique a existência de telefones no mundo onde a história se passa.

Jean assentiu, sorriu, depois deu um telefone no rapaz que cambaleou. (p. 41)

Os últimos capítulos do livro trazem a parte mais frenética da história, cheia de ação e tensão, e fecha todas as pontas soltas levantadas ao longo da trama, mas deixando um cliffhanger que fará o leitor implorar pelo próximo volume. Mares de Sangue foi um livro ótimo, que satisfez todas as minhas expectativas (e elas eram altas depois da surpresa positiva que tive com o primeiro volume).

Avaliação:

 Trama: 5
Narrativa: 4
Personagens: 5
Caracterização: 4
Coerência: 4
Criatividade: 5
Revisão: 3


Outros livros do autor:
  1. Nobres Vigaristas: As Mentiras de Locke Lamora
  2. Nobres Vigaristas: Mares de Sangue
  3. Nobres Vigaristas: República de Ladrões
  4. Nobres Vigaristas: The Thorn of Emberlain (a ser publicado no exterior ainda em 2015)
  5. Nobres Vigaristas: The Ministry of Necessity
  6. Nobres Vigaristas: The Mage and the Master Spy
  7. Nobres Vigaristas: Inherit the Night
Nobres Vigaristas: The Bastards and the Knives (livro extra com dois contos)

2 comentários :

  1. Eu dei risada com o final desse livro, ainda mais quando o Requin revela sobre os quadros lá do cofre!! hauhauhauha

    Enfim, leia logo o 3º, é muito bom também!

    http://desbravandolivros.blogspot.com/2015/01/resenha-mares-de-sangue-scott-lynch.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já estou lendo o terceiro (e chocada com uma das revelações). Do jeito que o livro está me prendendo, não sei se durará muito mais tempo!
      Abraços!

      Excluir

Sinta-se à vontade para deixar opiniões, dúvidas e sugestões. Se tiver um blog, deixe o link ao final de seu comentário para que eu possa visitá-lo.

Ao comentar, tenha bom senso (ou leia isto), de modo a evitar que seu comentário não seja publicado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...